sexta-feira, 16 de junho de 2017

Acervo da Teologia

Humanismo Secular o que é?

Resposta: O ideal do humanismo secular é que a humanidade se reconheça como uma parte da natureza eterna e incriada; a sua meta é a auto-correção do homem sem a referência ou ajuda de Deus. O humanismo secular cresceu a partir do Iluminismo do século 18 e do pensamento livre do século 19. Alguns cristãos podem se surpreender ao perceberem que possuem alguns compromissos em comum com os humanistas seculares. Muitos humanistas cristãos e seculares compartilham um compromisso com a razão, a investigação livre, a separação entre a Igreja e Estado e com o ideal de liberdade e da educação moral; no entanto, diferem em muitas áreas. Os humanistas seculares baseiam a sua moralidade e ideias sobre a justiça na inteligência crítica sem a ajuda das Escrituras, das quais os cristãos dependem para obter conhecimento sobre o certo e o errado, o bem e o mal. Além disso, embora os humanistas seculares e cristãos desenvolvam e usem a ciência e a tecnologia, para os cristãos, essas ferramentas devem ser usadas no serviço do homem para a glória de Deus, ao passo que os humanistas seculares veem essas coisas como instrumentos destinados a servir fins humanos, sem referência a Deus. Em suas investigações sobre as origens da vida, os humanistas seculares não admitem que Deus criou o homem do pó da terra depois de ter criado primeiro o planeta e todos os seres vivos a partir do nada. Para os humanistas seculares, a natureza é uma força de auto-perpetuação eterna.

Os humanistas seculares podem se surpreender ao saber que muitos cristãos compartilham a mesma atitude de ceticismo religioso e estão comprometidos ao uso da razão crítica na educação. Seguindo o padrão dos nobres bereanos, os humanistas cristãos leem e ouvem a instrução, mas nós examinamos todas as coisas à luz das Escrituras (Atos 17:11). Simplesmente não aceitamos toda declaração ou percepção mental que entra em nossas mentes, mas testamos todas as ideias e "conhecimento" contra o padrão absoluto da palavra de Deus, a fim de obedecer a Cristo, o nosso Senhor (ver 2 Coríntios 10:5, 1 Timóteo 6:20). Os humanistas cristãos entendem que todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento estão ocultos em Cristo (Colossenses 2:3) e procuram crescer com o pleno conhecimento de todas as coisas boas para o serviço de Cristo (Filipenses 1:9; 4:6; Colossenses 1:9). Ao contrário dos humanistas seculares, que rejeitam a noção de verdade revelada, aderimos à palavra de Deus, que é o padrão que usamos para medir ou testar a qualidade de todas as coisas. Estes breves comentários não elucidam totalmente o humanismo cristão, mas acrescentam vida e relevância à definição clínica dada em léxicos (por exemplo, o Terceiro Novo Dicionário Internacional de Webster, que define o Humanismo Cristão como "uma filosofia que defende a auto-realização do homem no quadro dos princípios cristãos").

Antes de considerarmos uma resposta cristã ao humanismo secular, devemos estudar o próprio termo humanismo. O humanismo geralmente traz à mente a restauração do saber e da cultura antiga, o que ocorreu durante a Renascença. Durante este tempo, os "humanistas" desenvolveram modos rigorosos de estudo baseados nos modelos gregos e romanos, e também tentaram construir um novo estilo latino (nas artes literárias e plásticas) e instituições políticas com base nele. No entanto, muito antes da Renascença, o "humanismo cristão" prosperou nas obras e pensamento de Agostinho, Tomás de Aquino, Erasmus e outros. Alguns até mesmo veem em Platão, um filósofo pagão, um tipo de pensamento que é compatível com a doutrina cristã. Enquanto Platão oferece muito do que é rendável, suas pressuposições e conclusões certamente não eram bíblicas. Platão, como Nietzsche, acreditava no "eterno retorno" (reencarnação); ele (e os gregos em geral) dava um respeito superficial aos seus deuses, mas realmente acreditava que o homem era a medida de todas as coisas. As expressões contemporâneas do humanismo secular rejeitam tanto os elementos nominais cristãos dos seus precursores quanto as verdades bíblicas essenciais, tais como o fato de que os seres humanos têm a imagem de seu Criador, o Deus revelado na Bíblia e na vida e ministério terreno do Senhor Jesus.

Durante a revolução científica, as investigações e descobertas de cientistas amplamente treinados que podem ser considerados humanistas (homens como Copérnico e Galileu) desafiaram o dogma católico romano. Roma rejeitou as descobertas das novas ciências empíricas e emitiu pronunciamentos contraditórios sobre questões que não faziam parte do domínio da fé. O Vaticano defendia que, já que Deus criou os corpos celestes, eles devem refletir a "perfeição" do seu Criador; portanto, rejeitou as descobertas dos astrônomos de que as órbitas dos planetas eram elípticas e não esféricas, como se acreditava anteriormente, e que o sol tinha "pontos" ou áreas mais frias e mais escuras. Estes fatos empiricamente verificáveis e os homens e mulheres que os descobriram não contradizem os ensinamentos bíblicos; a viragem da verdade bíblica em direção ao humanismo naturalista - caracterizada pela rejeição da autoridade e da verdade bíblica e pela inclinação a uma forma declaradamente secular do humanismo – ocorreu durante o Iluminismo, movimento que atravessou os séculos 18 e 19 e criou raízes em toda a Europa, florescendo especialmente na Alemanha.

Numerosos panteístas, ateus, agnósticos, racionalistas e céticos investiram em vários projetos intelectuais sem levar em consideração a verdade revelada. Em seus caminhos separados e distintos, homens como Rousseau e Hobbes buscaram soluções amorais e racionais para o dilema humano. Além disso, obras como Fenomenologia do Espírito, de Hegel, Crítica da Razão Pura, de Kant, e A ciência da ética fundamentada nos princípios do conhecimento, de Fichte, lançaram as bases teóricas para os humanistas seculares posteriores. Consciente ou inconscientemente, os acadêmicos contemporâneos e humanistas seculares constroem sobre essa fundação quando promovem abordagens exclusivamente "racionais" às questões sociais e éticas e às formas antinomianas de autodeterminação em áreas como a autonomia individual e liberdade de escolha nas relações sexuais, reprodução e eutanásia voluntária. No domínio cultural, os humanistas seculares confiam em métodos críticos ao interpretarem a Bíblia e rejeitam a possibilidade da intervenção divina na história humana; na melhor das hipóteses, eles veem a Bíblia como uma "história sagrada".

Com o nome de "alta crítica," o humanismo secular se espalhou pelas escolas de teologia e promoveu a sua abordagem racionalizada ou antropocêntrica aos estudos bíblicos. Começando na Alemanha, no final do século 19, a "alta crítica" buscava "investigar o que estava por trás dos documentos" e removeu a ênfase da mensagem autoritária do texto bíblico. Como Darrell L. Bock observou, a natureza especulativa da alta crítica tratava a Bíblia "como um espelho nebuloso de volta ao passado" e não como o registro histórico inerrante da vida e dos ensinamentos de Cristo e Seus apóstolos ("Introdução", Roy B. Zuck e DL Bock, Uma Teologia Bíblica do Novo Testamento, 1994, p. 16, em inglês). Por exemplo, em sua Teologia do Novo Testamento, Rudolf Bultmann, um importante expoente da alta crítica, baseia-se fortemente em pressupostos críticos. Como Bock ressalta, o autor é "tão cético sobre o retrato do Novo Testamento de Jesus que ele mal discute a teologia de Jesus" (ibid).

Embora a alta crítica tenha debilitado a fé de alguns, outros, como BB Warfield, no Seminário de Princeton, e William Erdman, entre outros, de forma persuasiva defenderam a Bíblia como sendo a Palavra de Deus. Por exemplo, como resposta aos céticos que questionaram a data inicial e autoria joanina do quarto evangelho, Erdman e outros fiéis servos do Senhor têm defendido estes fundamentos de forma crítica e com um alto nível de conhecimento.

Da mesma forma, em filosofia, política e teoria social, acadêmicos, juristas, escritores, políticos e artistas cristãos têm empunhado armas similares ao defenderem a fé e convencerem corações e mentes para o Evangelho. No entanto, em muitas áreas da vida intelectual, a batalha está longe de terminar. Por exemplo, nos círculos literários além do mundo acadêmico, as ideias de Ralph Waldo Emerson continuam a prevalecer. O panteísmo de Emerson resulta em uma negação de Cristo; é sutil e pode enganar os incautos a afastarem-se do Evangelho. Emerson declarou que o "Sobre a Alma" dentro dos indivíduos faz com que cada pessoa seja a fonte da sua própria salvação e da verdade. Ao ler escritores como Emerson e Hegel, os cristãos (especialmente os que estão a batalhar, diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos [Judas 3]) devem ter cautela e manter a Palavra de Deus central em seus pensamentos e humildemente permanecer obediente a ela em suas vidas.

Humanistas cristãos e seculares às vezes fazem parte de um diálogo honesto sobre a base ou fonte da ordem no universo. Quer chamem isso de razão ou da força motriz de Aristóteles, alguns racionalistas seculares deduzem corretamente que a Verdade moral é um pré-requisito para a ordem moral. Embora muitos humanistas seculares sejam ateus, eles geralmente têm uma visão elevada da razão; portanto, os apologistas cristãos podem dialogar com eles racionalmente sobre o Evangelho, como Paulo fez em Atos 17:15-34 quando se referindo aos atenienses.

Como deve um cristão responder ao humanismo secular? Para os seguidores do Caminho (Atos 9:2; 19:19, 23), qualquer forma legítima do humanismo deve visualizar a plena realização do potencial humano em submissão da mente e vontade humana à mente e vontade de Deus. O desejo de Deus é que nenhum pereça, mas que todos se arrependam e herdem a vida eterna como Seus filhos (João 3:16; 1:12). O humanismo secular tem como objetivo fazer as duas coisas muito menos e muito mais. Destina-se a curar este mundo e glorificar o homem como o autor da sua própria salvação progressiva. 


A este respeito, o humanismo "secular" é bastante à vontade com certos substitutos religiosos do verdadeiro evangelho de Deus – por exemplo, os ensinamentos de Yogananda, o fundador da Self-Realization Fellowship. Por outro lado, os humanistas cristãos seguem o Senhor Jesus no entendimento de que o nosso reino não é deste mundo e não pode ser plenamente realizado aqui, apesar das promessas de Deus para Israel (João 18:36; 8:23). Firmamos as nossas mentes no reino eterno de Deus, não nas coisas terrenas, pois morremos e nossas vidas estão escondidas com Cristo em Deus. Quando Cristo - que é a nossa vida - retornar, vamos aparecer com Ele em glória (Colossenses 3:1-4). Esta é verdadeiramente uma visão elevada do nosso destino como seres humanos, pois somos Seus filhos, como até mesmo poetas seculares têm dito (ver o poema de Arato "Phainomena"; cf. Atos 17:28).


Não é necessário ser um cristão para perceber que o humanismo alimentado apenas pela razão não pode suceder. Até mesmo Emmanuel Kant, escrevendo a sua Crítica da Razão Pura, durante o auge do Iluminismo alemão, entendeu isso. Nem devem os seguidores de Cristo ser vítimas da sedução da filosofia e da tradição humana ou serem aprisionados por formas de humanismo baseadas na fé romântica na possibilidade da auto-realização humana (Colossenses 2:8). Hegel baseou o progresso humano no ideal da razão como um espírito "fundamentando" a si mesmo através de estágios progressivos e dialéticos da história; mas se Hegel tivesse vivido para ver as duas guerras mundiais do século 20, é duvidoso que ele teria persistido em detectar o progresso humano neste desastre da história. Os cristãos entendem que qualquer forma de humanismo, quando longe da redenção de autoria divina, está condenada ao fracasso e à falsa fé. Baseamos uma visão elevada do homem em uma visão elevada de Deus, já que a humanidade é feita à imagem de Deus, e nós concordamos com a Escritura quanto à situação desesperadora do homem e ao plano de salvação de Deus.

Como Alexander Solzhenitsyn observou, o humanismo não oferece nenhuma solução para a condição desesperada da humanidade. Ele coloca desta forma: "Se o humanismo estivesse certo ao declarar que o homem nasce para ser feliz, ele não nasceria para morrer. Já que o seu corpo está condenado a morrer, a sua tarefa na terra, evidentemente, deve ser de natureza mais espiritual.. ." Com certeza. A tarefa da humanidade é buscar e encontrar Deus (Atos 17:26-27, cf. 15:17), o nosso verdadeiro redentor que nos oferece uma herança melhor do que a terrena (Hebreus 6:9, 7:17). Aqueles que abrirem as portas para Cristo (Apocalipse 3:20) herdarão a melhor pátria, a qual Deus tem preparado para aqueles que o amam e são chamados segundo o Seu propósito (Efésios 1:11, Romanos 8:28; Hebreus 11:16; cf . Mateus 25:34; João 14:2). Quão mais excelente é esta que todas as metas orgulhosas e nobres contidas nos manifestos humanistas seculares?




Acervo da Teologia

About Acervo da Teologia -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :