terça-feira, 24 de novembro de 2015

Acervo da Teologia

* Johann Sebastian Bach / Biografia

Johann Sebastian Bach. Inigualável!



Certa ocasião fui buscar minha filha no curso de música. Nesse dia ela submetera-se a dois exames, um de Ditado e outro de Percepção musical. Quando saiu dos exames estava visivelmente abatida. Não fora muito bem. Dentro do carro, na volta para casa, ainda que não quisesse desencorajá-la, acabei sendo traído, embora não tenha dito uma palavra sequer neste sentido. Dirigia em pleno Anel Viário de nossa cidade quando, de repente, uma frase quebrou o silêncio: “Pai, eu não possuo o seu talento para música!”
Ouvir aquilo cortou-me o coração. Por dois motivos: como pai, acho que, infelizmente, também não conseguira disfarçar o meu desapontamento. O outro motivo é que ela estava enganada: não tenho e nunca tive “talento” para a música! Talvez aquela frase doída se deva a alguns fatos: tive algumas breves introduções a poucos instrumentos, à teoria musical, ao canto coral e à regência. Entretanto, penso que o motivo principal que a moveu àquela palavra foi o fato de que gosto imensamente de música. Gosto do antigo ao contemporâneo: do canto gregoriano, da polifonia renascentista, da música barroca, dos clássicos românticos, da salmódia e hinódia cristãs, da música pJohan Sebastian Bach (1685-1750)opular e de muitos compositores de nossos dias… Quando ouço uma boa música, penso que àquele momento parece mesmo caber a expressão do poeta quando diz “que é eterno enquanto dura”. A música sugere possuir alguma coisa de eterna, de anterior à criação do universo… E quando penso em música, penso nos músicos. E dentre estes, um é inigualável!
Johann Sebastian Bach (1685-1750)
Quando falamos em Bach, logo lembramos suas fugas espetaculares, seus concertos e, é claro, o cravo bem temperado. Geralmente se ignora, porém, que Johann Sebastian Bach (1685-1750) pertencia a uma família de cinquenta e dois músicos de renome. Seu avô, Christoph Bach, era músico da “Corte e da Cidade” de Weimar. Seu pai, Johann Ambrosius Bach, também foi músico da “Corte e da Cidade” de Eisenach, cidade natal de Johann Sebastian Bach. Seu pai o ensinou a tocar violino e viola, bem como a escrever as notas musicais, e o criou na fé protestante. Além de Johann Sebastian, Johann Ambrosius teve mais dois filhos músicos: Johann Jakob Bach, oboísta do exército sueco, e Johann Christoph Bach, organista na cidade de Ohrdruf. Foi este último que, após a morte prematura do pai, cuidou do jovem Johann Sebastian.
Johann Sebastian Bach nasceu em 21 de março de 1685, em Eisenach, atual Alemanha. Todavia, como o Sacro Império Romano-Germano adotava o calendário Juliano (a Alemanha protestante só adotou o atual calendário em 1700), segundo o nosso calendário Gregoriano, Bach nasceu em 31 de março. Foi batizado dois dias depois, na Georgenkirche (Igreja de S. Jorge), na fé luterana.
A morte prematura dos pais levou o irmão Johann Christoph a terminar a formação musical do menino que contava então com dez anos. Gênio da matemática, Bach também foi uma figura excêntrica em sua arte dificílima. Aos onze anos Johann Sebastian já tocava cravo com distinção e entrou no Coro Musicus de Ohrdruf – um coro de vinte vozes. Cursou a Latienschule de Eisenach (mesma escola que Lutero frequentou), onde estudou teologia, latim e alemão. Sua carreira como músico “da Corte e da Cidade” só iniciou realmente aos quinze anos, como cantor no Coral da Igreja de São Miguel, em Lüneburg.
Primeiro emprego: organista da NeueKirche, em Arnstadt
Em 1703 Johann Sebastian conseguiu o primeiro emprego como organista na cidade de Arnstadt. Foi primeiramente convidado a testar o órgão da Igreja de São Bonifácio. Para fazer o teste, Bach deu um concerto no novo órgão da Igreja. Foi então contratado para ser o organista em 9 de agosto de 1703. No contrato com a Igreja, Bach deveria tocar todos os domingos, dias de festa e em outros dias de serviço divino na NeueKirche (igreja nova). Eis parte do contrato que a Igreja de São Bonifácio firmou com o jovem Johann Sebastian Bach:
O órgão te será confiado para tocá-lo apropriadamente, guardá-lo, cuidar bem dele e nos informar quando sofrer alguma avaria, ou quando estiver fraco, ou quando precisar de algum reparo, não permitindo o seu acesso a ninguém sem o conhecimento do superintendente, a fim de evitar algum estrago e manter tudo em ordem. Também na vida diária deves cultivar o temor a Deus, a sobriedade e o amor à paz, evitando tudo o que possa distrair-te do teu verdadeiro chamado, que é, em todas as áreas, conduzir-te em direção a Deus.
Juventude excêntrica
O jovem Bach recebia, por seu ofício, cinquenta florins anualmente, mais uma licença de alojamento e refeiçõeNeueKirches. Entretanto, o organista — que contava então com dezoito anos — era obcecado pelo órgão, obstinado e impulsivo, vivendo então um período de turbulência, pois frequentemente envolvia-se em brigas.
Exemplo da sua conduta teimosa e excêntrica foi a briga que teve em 4 de agosto de 1705. Johann Sebastian, descontente com o desempenho do fagotista Geyersbach, chamou-o de Zippel Fagottist (que em livre tradução seria algo como fagotista “cabra velha”). À noitinha, quando saiu a passear com sua prima Bárbara (que mais tarde seria a sua esposa), o ofendido interpelou-o na rua exigindo uma reparação à ofensa. Johann Sebastian, muito orgulhoso, negou-se, e oZippel Fagosttist passou a dar-lhe bengaladas. Bach puxou a sua espada para defender-se. O resultado do combate foi uma reprimenda do clero, pois, de acordo com o contrato firmado, ele deveria ser pacífico em sua vida privada. Foi também injustamente acusado de não cumprir sua composição de música cifrada e não ensaiar as crianças do coro — situações essas não envolvidas no contrato.
O encontro de dois gênios: Buxtehude exerce uma influência definitiva sobre Bach
Em novembro do mesmo ano, Bach pediu licença de um mês para ir a Lübeck visitar um organista de renome, Dietrich Buxtehude (1637–1707). Em Lübeck maravilhou-se com a técnica de Buxtehude, que era organista na Marienkirche (Igreja de Santa Maria). Buxtehude contava já com sessenta e oito anos, dirigia uma série de Vésperas durante os cinco domingos do advento — asAbendmusiken — com cerca de quarenta músicos. O estilo dessas Vésperas provavelmente influenciou as suas cantatas, apesar de as obras apresentadas na Abendmusiken não serem de cunho litúrgico. Bach ficou profundamente impressionado com o virtuosismo de Buxtehude e com a sonoridade de seu órgão, que possuía três manuais e cinquenta e dois registros (o de Bach em Arnstadt possuía dois manuais e vinte e três registros).
Não foi à toa que Bach andou trezentos e vinte quilômetros para ouvir Dietrich Buxtehude tocar. Este ainda hoje é considerado um dos grandes organistas do barroco alemão. Além da visita de Bach, outros músicos de renome, como Häendel e Matterson, também acorreram a Lübeck para se familiarizarem com a música de Buxtehude. Confira vídeo Youtube aqui.
Buxtehude fez um testamento no qual dizia que o organista que se seguisse a ele naMarienkirche deveria se casar com sua filha solteira. Era uma tradição ligada ao organista da Marienkirche. O próprio Buxtehude se casou com a filha mais nova do antigo organista (Franz Tunder). A filha mais velha de Tunder já havia se casadoDietrich Buxtehude (1637–1707)com Samuel Franck, que assumiu a posição de Kantor da Marienkirche e da Catherineum Lateinschule, a escola que possuía um coral do qual provinham os cantores para os serviços religiosos da Marienkirche. A condição de casar com a filha do predecessor não se mostrou muito atrativa para os jovens músicos da nova geração (como Bach e Häendel), porém, três meses antes de sua morte em 1707, Buxtehude conseguiu casar sua filha com Johann Christian Schieferdecker.
Na Marienkirche de Lübeck, Buxtehude fizera significativas mudanças nas tradições musicais da Igreja, estabelecendo as já mencionadas Abendmusik, eventos que atraíam grande interesse, visitantes e comerciantes para Lübeck. Como organista, Buxtehude representa o auge da tradição alemã (apesar de ele próprio se considerar um dinamarquês), exercendo decisiva influência nos músicos da geração subsequente. Entre suas obras, destacamos a  Membra Jesu Nostri (As partes do corpo do Nosso Senhor Jesus), BuxWV 75, um ciclo de sete cantatas compostas em 1680, cada qual dedicada a uma parte do corpo crucificado de Jesus Cristo: pés, joelhos, mãos, lado, peito, coração e face.
A imaginação de Buxtehude era impressionante e dava às suas músicas leveza, vida e uma sensação de improviso. Atualmente os trabalhos de Buxtehude o colocam como o grande compositor do Norte da Europa barroca no período entre Heinrich Schütz e J. S. Bach.
A volta de Bach à Arnstadt; novo estilo e relações tensas após conhecer Buxtehude


Johann Sebastian volta a Lübeck quatro meses depois, apesar de sua licença ter sido para apenas um. As autoridades clericais da Neuekirche não gostaram da demora de Bach e repreenderam-no novamente. A tal fato somou-se outra recriminação: ele ornamentava tão demasiada e tão elaboradamente o coro, que os outros músicos ficavam confusos. Tal ornamentação veio, provavelmente, da experiência que teve nos meses em que conviveu com Buxtehude. Apesar da pouca idade, Bach já era considerado mestre em seu ofício de organista e fez transformações musicais que escandalizavam seus superiores. Não mudou o seu pensamento, entretanto. Prova disso foi que em fevereiro de 1706 foi chamado para discutir o seu comportamento inadequado com o superintendente Johann Gottfried Olearius (1635-1711); este o repreendeu duramente e deu-lhe o seguinte ultimato:
Queixas têm sido feitas ao Concílio. Dizem que agora acompanhas os hinos com surpreendentes variações e ornamentação irrelevante, que adulteras a melodia e confundes a congregação. (…) Estamos surpreendidos pelo fato de haveres desistido de tocar música para instrumentos e vozes e consideramos que isto tenha a ver com tuas más relações com os alunos da Latienschule. Nós devemos exigir-te que nos diga, de uma forma clara e precisa, se estás preparado para acompanhá-los e orientá-los na música vocal e instrumental, assim como nos hinos. Não podemos contratar um Kantor e deves dizer-nos claramente se estás preparado para fazer tudo o que mandarmos. Se não, nós encontraremos outro organista que o faça. (…) Se no futuro pretenderes exercitar o tonus peregrinus, deves mantê-lo e não voar logo instantaneamente para um tonus contrarius.
(Kantor era o encarregado de ensinar música na escola e organizava eventos musicais. Tonus peregrinus é um acompanhamento simples, que se baseia num cantus firmustonus contrarius é um acompanhamento que tem por base o contraponto e uma ornamentação e harmonia complexas, que Bach aprendeu com Buxtehude.)
Bach também foi avisado que, se não cumprisse as funções conforme determinado, deveria entregar o posto ao seu primo Johann Ernst e não seria mais pago. Recebeu todos os pagamentos até que deixou o cargo, apesar de cumprir suas funções da maneira que lhe apetecia. As repreensões se tornaram cada vez mais severas, até que em novembro de 1706 recebeu uma contundente crítica pública:
O organista Bach (…) deverá informar se está pensando em fazer música com os estudantes ou não, como já foi anteriormente estabelecido… Se ele não se envergonha de receber o seu salário, também não deveria envergonhar-se de fazer música com eles.
Outra acusação foi a de permitir que uma mulher desArnstadt, Neuekircheconhecida (que seria a sua própria esposa Maria Bárbara — fato este nunca comprovado) cantasse no coro, pois naquela época não era permitido às mulheres cantar na igreja.
Dessa época são as primeiras cantatas — gênero mais importante da música de Câmara vocal do período barroco e principal elemento musical do culto luterano. Sua cantata mais famosa é “Herz und Mund und Tat und Leben” (Coração, Boca, Feitos e Vida) — a BWW 147 — cujo coral final é “Jesu bleibet meine Freunde” (Jesus alegria dos homens).  Nessa célebre composição o coral se sobrepõe a uma grande sucessão de tercinas (uso de três notas ocupando o tempo que normalmente seria ocupado por duas), um dos símbolos bachianos para indicar felicidade. Confira vídeo Youtube aqui.
Músicas profanas de Bach
Algum tempo depois de retornar de Lübeck, Bach se casara com Maria Bárbara de Arnstadt, sua prima. Teve com esta sete filhos em treze anos de casamento, mas durante uma viagem do marido ela adoeceu subitamente e morreu. Após a morte de sua primeira esposa, Bach foi nomeado Kapellmeister (mestre da capela) em Cöthen. Sob a proteção do príncipe calvinista Leopold, ele ganhava um alto salário e pôde dedicar-se à composição. São dessa época seus Concertos para violino e os seis Concertos de Brandenburgo — estes feitos sob encomenda para o duque de Brandenburgo. Confira vídeo Youtube aqui.
Chaconne da Partita nº2, em Ré menor, para violino solo (BWV 1004), foi presumivelmente composta nessa época (1717/1723), como memorial fúnebre em homenagem à sua esposa Maria Bárbara. Esta Chaconne é um dos poucos trabalhos de variações de Bach e alguns o reputam como o maior conjunto de variações escrito para um só instrumento. As únicas outras variações que se aproximam da sua perfeição são as Variações Goldberg (1742) também compostas por ele — estas últimas, variações que foram encomendadas pelo conde Hermano de Keyserling, da Prússia, que pediu a Bach que compusesse uma música para preencher suas habituais noites de insônia. Dentro da harmonia da Chaconne estão as notas do coral “Christ lag in Todesbanden”(Cristo jaz sujeito à morte), que representa a intensa tristeza da morte e a esperança de uma vida eterna. Confira vídeo Youtube aqui.
Segundo casamento e dedicação exclusiva à música sacra
Um ano após a morte de Maria Bárbara, Bach, apaixonado, casou-se com a filha de um trompetista da corte e cantora — Anna Magdalena — que foi a companheira da sua vida. Ele contava então com trinta e seis anos, e ela, com vinte; tiveram treze filhos.
Em 1723, Bach mudou-se para Leipzig, onde assumiu o posto de organista e professor da Igreja de São Tomás. Nessa época seu trabalho era totalmente voltado ao sacro, abandonando definitivamente a música profana. Bach recolheu-se a um serviço dedicado a Deus. São dessa época as obras primas Johannespassion (1723) e Matthäuspassion (1729), respectivamente “A Paixão segundo João” e “A Paixão segundo Mateus”. Confira vídeo Youtube aqui.
Atualmente Bach é tido como o maior compositor do barroco e por muitos o maior compositor da História. Suas obras refletem a profundidade intelectual do autor, bem como uma expressão emocional profunda, além de grande domínio técnico. É ditado corrente entre os músicos que “quem aprende a tocar Bach toca qualquer música”. Era tido por todos como um virtuose do órgão, talvez o melhor de que se tinha notícia. Era um organista extraordinário, com tal arrojo que se permitia tocar usando também os polegares, uma ousadia para a época. Era um perfeccionista, obstinado em combinar as melodias da música, buscando sempre a harmonia perfeita. Porém, foi considerado antiquado e sem criatividade como compositor, tendo sido pouco reconhecido em vida.  Outros compositores, como Häendel e Telemann, tiveram as obras muito mais apreciadas no período. Félix Mendelssohn (1809-1847) descobriu em 1828 a Matthäuspassion e passou a ser um dos responsáveis pela divulgação da obra de Bach, até então bastante esquecida. Com a morte de Johann Sebastian Bach em 1750, os estudiosos de música marcam o fim da Idade Barroca.
Luterano devotado, Bach compôs grande número de peças sacras: mais de duzentas cantatas, vários motetos, cinco missas, três oratórios e quatro paixões, uma das quais, a Paixão Segundo São Mateus, é seguramente uma obra-prima da música ocidental. Bach também escreveu grande quantidade de música para o seu instrumento preferido, o órgão.
A Arte da Fuga: obra derradeira
A última obra de Bach foi a magistral, porém inacabada Die Kunst der Fuge (Arte da Fuga). Ele trabalhou em A Arte da Fuga durante os últimos três anos de sua vida, de 1747 a 1750. Por “ironia do destino”, a primeira audição mundial dessa obra-prima só ocorreu quase duzentos anos mais tarde, em 26 de junho de 1Christiane Lang-Drewanz como Anna Magdalena Bach (1701-1760)927. A Arte da Fuga é considerada por estudiosos da música como a obra instrumental mais extensa e mais coerente de Bach. E, quanto à concepção e estruturação, a mais espiritual de toda a música ocidental.
A estética musical da época era a “teoria dos afetos”, segundo a qual a música exprime paixões e emoções como ira, amor, ciúme, inveja. Mas a expressão de sentimentos — que existia em Bach sempre no ambiente da coletividade luterana — desaparece agora por completo. Quanto mais o mundo se inclinava para o sensorial e o sentimental, valorizando a individualidade, tanto mais Bach se afastava de seus contemporâneos e refugiava-se no passado, que considerava o “espelho do universo”. O célebre compositor, que vivia a grandiosa tensão entre o mundo antigo e o novo que se anunciava, já não se importava com a realização sonora de sua arte, cuja realidade se encontrava em longínqua abstração. O trabalho artístico significava para ele uma visão puramente espiritual, e os meios dos quais se servia, uma vez despojados do sensorial, chegaram à sublimação máxima.
A Arte da Fuga tomou o compositor até seus últimos dias, tendo sido deixada suspensa e inacabada a fuga final. A morte arrancou-lhe a pena das mãos, quando ia introduzir, na última fuga, as notas que correspondiam às quatro letras de seu nome B.A.C.H. — na nomenclatura germânica, as notas musicais representadas por letras que formam o nome de Bach são si bemol, lá, dó, si. O terceiro tema do inacabado contraponto XIV (uma fuga com três temas) de A Arte da Fuga, foi, obviamente, sua última obra, como que para assinar esse impressionante testamento musical. Esse último tema caracteriza-se por uma profunda tristeza, sem igual na música de nossa cultura. Com A Arte da Fuga termina um dos capítulos mais emocionantes da história da música ocidental.
Provavelmente, por causa do contexto no qual Bach o empregou, compositores mais recentes viram neste tema um tanto intratável um desafio às suas habilidades contrapontistas. Um dos filhos de Bach, Johann Christian, bem como seu aluno J. L. Krebs, escreveram, ambos, fugas sobre este motivo, mas ele adquiriu maior popularidade com a redescoberta de Bach no século XIX, por meio de compositores como Schumann; tal foi também explorado por Rimsky-Korsakov e d’Indy, entre outros, e pelos compositores da escola de Viena: Schoemberg, o pai do atonalismo, e seus alunos Albam Berg e Webern.Selo Bach
Bach nunca enriqueceu com a música e trabalhou até os últimos dias de vida. Morreu no dia 28 de julho de 1750, cercado pelos seus entes queridos, e completamente cego, em virtude de uma cirurgia de catarata feita por um vigarista. Encontra-se sepultado num jazigo na Igreja de São Tomás. Sua viúva, Anna Magdalena Wülken Bach, morreu num asilo para pobres.
Fonte: 

Acervo da Teologia

About Acervo da Teologia -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :