sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Acervo da Teologia

Thomas Cranmer - Biografia


(1489-1556)

Foi um inglês Protestante-EpiscopalReformador; e Arcebispo de Cantuária (1533-1556) no transcorrer dos reinados de Henrique VIII e Eduardo VI.

"Ora, vocês são o Corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo. Assim, na igreja, Deus estabeleceu primeiramente apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois os que realizam milagres, os que têm dons de curar, os que têm dom de prestar ajuda, os que têm dons de administração e os que falam diversas línguas. São todos apóstolos? São todos profetas? São todos mestres? Têm todos dons de curar? Falam todos em línguas? Todos interpretam? / Entretanto, busquem com dedicação os melhores dons. Passo agora a mostrar-lhes um caminho ainda mais excelente." (1ª Coríntios 12:27-31, NVI, SBI).

Thomas Cranmer nasceu em 1489, em Aslockton, próximo da cidade de Nottingham, capital do Condado de Nottinghamshire da Inglaterra, no Reino Unido. Seus pais eram socialmente humildes e suas condições financeiras permitiram apenas educar o filho mais velho, assim preteriram o filho Thomas. Desde cedo, Thomas Cranmer e seu irmão mais novo foram iniciados nos serviços religiosos. Posteriormente, Thomas motivado por uma praga na cidade de Cambridge, sede do Condado de Cambridgeshire, na Inglaterra, alterou sua residência para o Condado de Essex, na Inglaterra, localizado no sudeste do Reino Unido.

Quando estava morando no Condado de Essex, atraiu a atenção do Rei Henrique VIII da Inglaterra. O Rei e seus conselheiros identificaram Thomas Cranmer como um excelente advogado para advogar a causa matrimonial de Henrique VIII com Catarina de Aragão, bem como para exercer a função de pesquisador.

As pesquisas e o trabalho de Thomas Cranmer com o seu amigo John Foxe geraram precedente legal e histórico, permitindo ao Rei tecer uma tese acadêmica que rompesse com Roma.



John Foxe
John Foxe.
(1517-1587)
John Foxe foi um inglês Puritano-Protestante e Martirólogo. Seu livro mais conhecido é "O Livro dos Mártires", que narra a história de sofrimento e perseguição dos principais mártires cristãos. Suas narrativas começam com Jesus Cristo até o final do reinado de Maria I da Inglaterra, proveniente da família Tudor, conhecida também como Maria, a Sanguinária.

John Foxe narra a história dos reformadores e mártires famosos como Policarpo de Esmirna,John WycliffeJohn HussMartinho Lutero,Hugh Latimer, bem como relata a trajetória de outros que sofreram perseguições e martírio nos governos pagãos e pela Inquisição. O livro também relata a trajetória do seu amigo Thomas Cranmer. "O Livro dos Mártires" ajudou a moldar a opinião pública britânica sobre a Igreja Católica.

Thomas Cranmer foi enviado para a embaixada inglesa de Roma no ano de 1530. Durante o ano de 1532, ele foi constituído embaixador do Imperador Carlos V do Sacro Império Romano Germânico.

Cranmer lia os autores antigos sem desprezar os novos; durante todo esse ínterim, analisava e comparava as opiniões de vários autores. Era um leitor lento mas um observador sério. Nunca abordava um autor sem ter à mão pena e tinta, embora não usasse a memória menos que a pena. Sempre que surgia alguma controvérsia, recolhia os pareceres de todos os autores de forma resumida e anotava seus diversos questionamentos em cadernos preparados para esse fim; ou então, se o texto era longo demais para transcrevê-lo, anotava os dados da obra com o número da página para com isso ajudar a memória. / Grandemente beneficiou-se o novo arcebispo de sua velha coleção de notas, que ele utilizou em seu estudo.
"Às cinco da manhã já estava debruçado sobre seus livros e assim continuava estudando e orando até as nove horas." / "Geralmente estudava de pé, poucas vezes se sentava."

"Não passava nenhuma hora do dia em vão; todas eram empregadas em cuidar da glória de Deus, servir o príncipe ou promover o bem da Igreja. Esse bom emprego do tempo proporcionava-lhe a alegria de ouvir bons comentários de todos, atestando que ele era irrepreensível em suas conversas, como convém a um ministro de Deus."


Inquisição
Ilustração de Julgamento na Inquisição.
CONTRA-REFORMA INGLESA

Maria Tudor, que reinou de 1553 a 1558, era filha do casal Henrique VIII e Catarina de Aragão. O reinado de Maria ocorreu concomitantemente ao período do desenvolvimento da Contra-Reforma naIgreja Romana no velho continente. Alguns chamam o evento de Contra-Reforma Inglesa.

Maria, Católica Romana de coração, assessorada pelo Cardeal Reginald Pole, forçou o Parlamento a restaurar as práticas religiosas católicas na Inglaterra. O Parlamento concordou nas medidas necessárias, menos na restauração das terras tomadas da Igreja Romana durante o reinado de Henrique VIII. Maria se casou com Filipe II da Espanha, em 1554, mas o casamento foi impopular na Inglaterra. Filipe jamais correspondeu ao amor de Maria Tudor.

"O Parlamento dos Tudors representava o povo, mas atendia mais ao rei do que ao povo; os Tudors governavam como ditadores, dissimulando o punho de ferro com uma luva de pelica."

Fogueira na Inquisição
Ilustração de Perseguição na Contra-Reforma.
Cerca de 800 clérigos ingleses recusaram-se a acatar as mudanças e perderam suas paróquias. Os clérigos foram forçados a fugir para Genebra e Frankfurt, para não sucumbirem diante da perseguição desencadeada por Maria Tudor. Perto de 300 pessoas, principalmente das regiões de comércio do sul da Inglaterra, foram martirizadas por sua fé; os primeiros foram LatimerRidley eCranmerLatimer encorajou a Ridley na fogueira ao dizer que o seu fogo acenderia uma vela na Inglaterra que, pela graça de Deus, jamais seria apagada. De início, Cranmer retratou-se, mas depois retratou-se de sua renegação, e ao ser queimado, colocou a mão que assinara a retratação no fogo até ficar calcinada. Nada fortaleceu a causa do Protestantismo mais do que a morte destes dois bravos mártires, cuja fé e coragem convenceram os ingleses da verdade de suas opiniões. O Livro dos Mártires de Foxe (1536) contava essas perseguições em detalhe e granjeou simpatia para o Protestantismo.
Perseguição Religiosa
Ilustração de Execução.
Thomas Cranmer foi perseguido, torturado física e intelectualmente, considerado herege pelos poderosos religiosos de sua época. Naquele espetáculo de horrores, findou sua vida no calor terrível da fogueira. Hoje, podemos dizer que Cranmer combateu o bom combate, concluiu a sua carreira e guardou a sua fé. Dentro do seu coração existia a convicção da obra redentora de Jesus Cristo e no seu espírito humano habitava o Espírito Santo do Deus que é Fogo Consumidor. Jamais aquela fogueira alimentada pelos horrores da intolerância religiosa superaria o Fogo Santo que queimava no seu interior.
Morte de Thomas Cranmer
Morte de Thomas Cranmer.
Uma vez que cheguei ao fim de minha vida, do qual depende toda a minha vida futura, ou para viver com meu Mestre Cristo na felicidade eterna, ou então para sofrer eternamente com os perversos demônios do inferno, vejo na minha frente o céu preparado para receber-me e o inferno disposto a tragar-me. Quero, portanto, declarar perante vós minha verdadeira fé, sem máscara ou dissimulação alguma, pois esta não é a hora de disfarçar, independentemente do que eu disse ou escrevi no passado. Thomas Cranmer.
Escrevi aquilo por medo da morte e, se fosse possível, para salvar a minha vida. Estou falando de todos aqueles bilhetes e textos que escrevi ou assinei de meu próprio punho desde a minha degradação. Ali escrevi muitas coisas falsas. E pelo fato de que minha mão direita pecou ao escrever contra o meu coração, ela será a primeira a chegar ao fogo, a primeira a ser queimada. Thomas Cranmer.
Quando Thomas Cranmer enfatizou que escreveu muitas coisas falsas, estava referindo-se à sua retratação, quando perante a opressão religiosa cedeu por temor da própria vida. Não devemos acusar Cranmer, certamente muitos de nós teríamos a mesma reação, afinal sua vida estava em jogo e a fogueira era o destino.
"Chegando ao local onde os santos bispos e mártires de Deus, Hugo Latimer eNicholas Ridley, haviam sido queimados antes dele, [Thomas Cranmer]ajoelhou-se e orou a Deus." / "Então os frades espanhóis, João e Ricardo, começaram a exortá-lo e a desempenhar de novo seu papel, mas em vão perderam seu tempo. Cranmer, determinado a manter-se firme em sua profissão de doutrina, estendeu a mão a alguns anciãos e a outros circunstantes, despedindo-se deles."

Em seguida Cranmer foi amarrado com uma corrente de ferro. Quando ficou claro que sua firmeza não permitiria que ele fosse demovido de suas palavras, mandaram que lhe ateassem fogo. Quando a lenha foi acesa e o fogo começou a queimar perto dele, estendendo o braço, pôs a mão direita no meio das chamas e ali a segurou firme, imóvel (exceto quando a recolheu para passá-la sobre o rosto). Ele queria que todos pudessem ver a mão queimada antes que seu corpo fosse tocado pelas chamas. (...). Tinha os olhos erguidos para o céu e foi repetindo as palavras 'sua indigna mão direita' enquanto a voz lhe permitiu. Pronunciando algumas vezes as palavras de Estevão, 'Senhor Jesus, recebe o meu espírito', no ardor das chamas entregou a sua alma.
Thomas Cranmer
Thomas Cranmer.
(1489-1556)
"Cranmer era um homem de estatura média, de pele sem manchas e um tanto avermelhada. À época de sua morte, tinha a cabeça calva, mas exibia uma longa barba branca e espessa. Tinha sessenta e seis anos de idade quando o queimaram."

Nesta pequena referência da vida de Thomas Cranmer somos convidados para revermos os alicerces da nossa fé, a forte convicção dentro do nosso espírito humano, o vigor da nossa mente no seio da nossa alma.

Prezados leitores, os senhores são desafiados para expressarem a vossa fé, demonstrarem o calor do Espírito Santo no vosso espírito humano, e principalmente constituírem as vossas mentes com os exemplos dos servos e das servas de nosso Senhor Jesus Cristo.

Fonte

Livro: O Livro dos Mártires.
Autor: John Foxe.

Acervo da Teologia

About Acervo da Teologia -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :