"AO CONTRÁRIO DE MUITOS, NÃO NEGOCIAMOS A PALAVRA DE DEUS VISANDO A ALGUM LUCRO; ANTES, EM CRISTO FALAMOS DIANTE DE DEUS COM SINCERIDADE, COMO HOMENS ENVIADOS POR DEUS". 2 Coríntios 2. 17



terça-feira, 22 de setembro de 2015

* Propostas para Reverter a Evasão de Membros na Igreja / Pr. Antônio Carlos Paiva

O texto chama a atenção para um problema grave. Foram 8.620 pessoas que constaram como excluídas isso em 1999. 

Se fizermos as contas, 8.620 membros dariam para formar 20 grandes igrejas com 431 membros cada, ou 40 igrejas com 215 membros. 

Não podemos negar a realidade dos números. Fomos nós mesmos, pastores, que fornecemos os dados para a tabulação estatística. A quantidade de pessoas que se afastam se multiplica de um modo alarmante. Isso é uma realidade não somente entre os crentes novos; acontece também entre os maduros. Se há gozo no céu pelos que se arrependem, não deveria haver igual tristeza pelos que se afastam? A taxa deve diminuir, do contrário será como lavrar no mar: não haverá resultado permanente. 

 Se há um vazamento, vejamos o que o está provocando. 

1. Falta de Preparação Adequada

A facilidade com que são recebidos os novos membros pode ser uma das causas da instabilidade. Recebemos os novos membros muito rapidamente e, pior, sem um acompanhamento doutrinário e espiritual prévio e básico. 

 Creio que, antes do batismo, algumas orientações são indispensáveis para que o novo membro venha a permanecer na fé e na igreja. Não é necessário um longo e minucioso estudo de teologia, porque o batismo não é o fim da carreira cristã e, sim, a sua matrícula. 

 Cada igreja deveria ter um curso eficiente de discipulado, ensinando tanto na igreja como em casa. O pastor deveria ser o professor desse curso, ladeado de bons auxiliares. Temos excelente material para  esse fim em nossa Editora Aleluia. E deveria procurar ouvir bem a pessoa, a família, manter diálogos. Orar juntos. Alertar para possíveis dificuldades. Fazer tudo com muito cuidado. 

 2. A Falta de Discipulado Prático 

À medida que a igreja cresce, a necessidade de continuidade do ensino e discipulado é fundamental. Não é pelo fato de a Bíblia não fixar um tempo para o batismo que não seja necessário o discipulado. Pelo contrário, temos liberdade e direção do Espírito Santo para que o iniciante seja educado através do discipulado, antes e depois do batismo
 "Assim como a mãe não se sente feliz só em dar à luz uma criança e logo em seguida amamentá-la, mas sua preocupação maior é criá-la e educá-la, a igreja deve pensar e agir dessa mesma forma". 
3. Falta de Comunhão Profunda com Deus e com os Irmãos 

 Koinonia é comunhão íntima, companheirismo, na sua forma mais completa. Entrosamento no novo grupo, amizade. Ela é necessária tanto para prevenir que o crente se afaste como também para restaurar o afastado. Quando o cristão experimenta o valor da comunhão, dificilmente abandona a fé e a Igreja. 

Havendo comunhão uns com os outros, podemos perceber com rapidez as necessidades e a frieza na vida do meu irmão, e ajudá-lo a crescer ou a superar suas dificuldades.  Mas, temos essa comunhão? Se não temos, onde está o erro? Por que falta comunhão, amizade entre o povo de Deus? Por que não podemos abrir o coração, contar nossos problemas e fraquezas sem sermos censurados e julgados? Seguem duas sugestões, como possíveis respostas, para reflexão. 

a) Visão errada do que é igreja

 Vemos a igreja como assembléia dos perfeitos, dos imaculados, onde falar de fraquezas é inaceitável é sinônimo de frieza espiritual. Ionias E. Irash diz que a igreja não foi criada para se um museu, mas um hospital, uma estação salva-vidas. Portanto, deve haver espaço para cada crente ser mais humano, sem ser considerado imaturo.

b) Ausência de reuniões menores 

 Não podemos ficar somente dando ênfase aos grandes eventos. Eles têm seu valor. Eles servem para impactar, para chamar pessoas para a fé em Jesus, mas oferecem pouca oportunidade para o crente experimentar a comunhão com seu irmão. É difícil saber se uma família está ou não presente entre centenas de pessoas, como também é difícil perceber as necessidades de cada um, o que não acontece em reuniões menores e caseiras. 

4. Falta de uma Mensagem Atual 

A mensagem da igreja deve ser bíblica, porém atual. O pastor deve pregar mais sobre temas que estão envolvendo os homens no seu dia-a-dia (violência, medo, enfermidade, depressão, crises, etc.), sem deixar a espiritualidade, a profundidade e as doutrinas básicas de lado. Pregar mostrando que toda solução está na Bíblia e vem de Deus. 

Muitas pessoas podem estar deixando a Igreja e indo em busca de um lugar onde recebam mensagens claras, aplicáveis aos problemas da vida moderna. 
"Nossa pregação deve fazer a Bíblia inteligível para o povo, apresentando respostas concretas para as milhares de lutas e pressões do homem atual". 
5. Falta de Oração Intercessória 

Esta talvez seja a grande razão pela qual muitos se afastam da igreja. A oração é fundamental para conquistar novos membros, para manter os existentes e reconquistar os desistentes. Jesus sabe que Satanás busca afastar os crentes da fé. Ele disse a Pedro: Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo, Lc 22:31. O que fez Jesus diante de tal solicitação? Orou por ele para que sua fé não desfalecesse, v. 32. A oração foi a arma que Jesus usou para que Pedro permanecesse firme na fé. 

   Conclusão 

 Assim, é dentro da igreja que vamos encontrar a solução para o que aqui discutimos. Cada conselho tem de refletir e encontrar uma saída. Além do que dissemos que tal ver como está sua Escola Bíblica Dominical, como estão atuando suas sociedades internas. O problema também pode ser de ordem física. Às vezes é preciso rever até a localização do templo, suas dimensões, suas instalações, a começar pelos bancos, banheiros, etc. Como está a qualidade da música na Igreja e também do som?Os horários são adequados, tanto para começar como para terminar os trabalhos? Os dias de cultos são apropriados?

Também é preciso ver o programa pastoral. Tem havido visitação? Os temas de sua pregação, a sua ênfase não estão sendo uma rotina cansativa e improdutiva? O obreiro tem estado mesmo à frente do campo, ou viaja demais, tem muitos compromissos, deixa muito o púlpito? 

Também os presbíteros e diáconos devem estar atentos ao crescimento de suas igrejas. Quantas que, alegando economia, dispensam pastores, deixando de investir na liderança que seria exatamente quem iria reverter o quadro de dificuldade local. 

 Que Deus nos ajude a ver esse problema com olhares de solução, pois atrás dele estão as pessoas que precisam desfrutar da maravilhosa vida que Cristo traz. 

Resumo do Jornal Aleluia / Novembro de 99. 
Pr. Antônio Carlos Paiva
I IPR de Cianorte,PR 
Presidente do Presbitério de Cianorte 

Um comentário:

  1. Faça parte do novo Agregador BloGospel, exclusivo para quem quer divulgar conteúdos relevantes para o povo de Deus e receber mais visitas no seu blog ou site.
    É rápido e prático! Não precisa cadastrar.
    Apenas seja nosso parceiro e envie seu link.
    Maiores informações acesse: http://semeandojesuscristo.blogspot.com.br/
    Graça e paz!

    ResponderExcluir

500 ANOS DA REFORMA

500 ANOS DA REFORMA

Postagens populares

.

E SE FOSSE VOCÊ?

E SE FOSSE VOCÊ?

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo