"Ao contrário de muitos, não negociamos a Palavra de Deus visando a algum lucro; antes, em Cristo falamos diante de Deus com sinceridade, como homens enviados por Deus".
2 Coríntios 2.17


sábado, 13 de dezembro de 2014

* Greg L. Bahnsen / Biografia & Obras


Greg L. Bahnsen (17 de setembro de 1948 - 11 de dezembro de 1995) foi um americano calvinista filósofo , apologista , e debatedor. Ele era um ministro na Igreja Presbiteriana Ortodoxa e um full-time Scholar na residência para a Califórnia Centro Sul de Estudos Cristãos. Ele também é considerado um contribuinte para o campo da apologética cristã.

Início da vida e da educação 

Ele foi o primeiro a nascer de dois filhos de Robert e Virginia Bahnsen em Auburn, Washington , e cresceu em Pico Rivera, California . Na juventude, ele foi assolado por uma série de dificuldades médicas, o mais grave de que foi um ao longo da vida de plaquetas no sangue problema que tornava difícil para ele parar o sangramento. Ele também tinha problemas de coração, que veio à luz apenas durante suas primeiras admissões da faculdade e exame médico.
Educado na Igreja Presbiteriana Ortodoxa , ele participou ativamente de atividades religiosas. Ele começou a ler os apologética de Cornelius Van Til , quando na escola. Enquanto frequentava Westmont College começou a escrever para a Fundação Calcedónia de Rousas J. Rushdoony e logo passou a admirar fortes convicções calvinistas deste último.
Em 1970 Bahnsen graduado magna cum laude de Westmont College, recebendo seu BA em filosofia, bem como a John Bunyan Smith Award por seu global média de pontos . A partir daí ele passou pelo Seminário Teológico de Westminster , em Filadélfia , onde estudou sob Cornelius Van Til . Os dois se tornaram amigos íntimos. Quando ele se formou em Maio de 1973, ele recebeu simultaneamente dois graus, Mestre em Divindade e Mestre em Teologia , bem como o Prêmio Benton Greene William na apologética e uma Richard Weaver Fellowship do Instituto de Estudos intercolegial . Sua próxima parada foi o acadêmico da Universidade do Sul da Califórnia (USC), onde estudou filosofia , especializando-se na teoria do conhecimento . Em 1975, depois de receber a ordenação na Igreja Presbiteriana Ortodoxa, ele se tornou um professor associado de Apologética e Ética no Reformed Theological Seminary , em Jackson, Mississippi . Enquanto estava lá, ele completou seus estudos na USC, recebendo seu doutorado em 1978.

Vida posterior 

Um dos pilares originais da Reconstrução Cristã , Bahnsen foi um dos principais defensores de teonomia , postmillennialism , e apologética pressuposicional . Ele palestrou para uma ampla gama de cristãos evangélicos grupos em muitas faculdades e conferências, não só em todo o Estados Unidos , mas na Escócia e Rússia . Ele publicou numerosos artigos e tem mais de 1700 fitas de áudio, vídeos, artigos e livros com seu nome.
Advocacy vocal de Greg Bahnsen de Christian Reconstructionism e teonomia foi altamente controversa durante sua vida, e um debate público pertencente a teonomia levou à sua demissão do Reformed Theological Seminary , em Jackson, Mississippi. Além disso, ele era conhecido por seu público de debates sobre apologética , teonomia, religião (como o catolicismo romano , o Islã , e judaísmo ), e uma variedade de questões sócio-políticas (como o aborto , controle de armas , e homossexualidade ).
Bahnsen é talvez melhor conhecido por seus debates com tais líderes ateus como George H. Smith , Gordon Stein , e Edward Tabash . O debate com Stein marcado um dos primeiros usos de um argumento transcendental para a existência de Deus (TAG).
Em 1994, uma polêmica surgiu após filósofo ateu Michael Martin cancelar um debate com Bahnsen, porque Martin "recusou-se a permitir que o debate a ser gravado e vendido para apoiar uma organização cristã." Desde aquela época Martin sustentou que ele tem respondido adequadamente a utilização de Bahnsen de TAG, fazê-lo em seus próprios debates com Michael Butler , John Frame , e Douglas Jones, bem como em ensaios publicados na Web Secular . 

Morte 

Devido a seus problemas de saúde ao longo da vida, Bahnsen teve que passar por uma terceira válvula aórtica, cirurgia de implante em 5 de dezembro de 1995. Após a conclusão da operação, teve complicações graves desenvolvido no prazo de vinte e quatro horas. Ele, então, entrou em coma por vários dias e faleceu no dia 11 de dezembro de 1995 com a idade de quarenta e sete.

Argumentando a Partir da Impossibilidade do Contrário


 Greg L. Bahnsen
A abordagem genial de Van Til reconhece que um método epistemologicamente autoconsciente de defender a fé não é apenas filosoficamente necessário (dada a questão pressuposicional) e moralmente apropriado (dada a relação Criador-criatura). Ele também constitui o desafio intelectual mais forte que pode ser direcionado ao pensamento do incrédulo.

A revelação de Deus é mais do que o melhor fundamento para o raciocínio cristão; é o único fundamento filosoficamente sólido para qualquer raciocínio, seja qual for. Portanto, embora o mundo em sua própria sabedoria veja a palavra de Cristo como loucura, “a loucura de Deus é mais sábia que os homens” (1Co. 1:18, 25). Os cristãos não precisam sentar numa torre filosófica isolada, reduzidos a simplesmente desprezar os sistemas filosóficos dos não-cristãos. Não, ao tomar cada pensamento cativo a Cristo, somos capacitados a destruir o raciocínio que se exalta contra o conhecimento de Deus (cf. 2Co. 10:5). Devemos desafiar o incrédulo a dar uma explicação convincente e plausível de como ele sabe algo, seja o que for, considerando suas pressuposições adotadas sobre a realidade, verdade e o homem (sua “cosmovisão”).

A defesa pressuposicional da fé de Van Til constitui uma ofensa filosófica contra a posição e raciocínio do não-cristão. Seguindo a direção inspirada do apóstolo Paulo, ela pergunta retoricamente: “Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?” (1Co. 1:20). Este tema é predominante na prá
tica de Van Til da apologética pressuposicional. A tarefa do apologista não é simplesmente mostrar que não existe nenhuma esperança de salvação eterna fora de Cristo, mas também que o incrédulo não tem nenhuma esperança intelectual presente fora de Cristo. É loucura para ele edificar sua casa sobre a areia ruinosa da opinião humana, ao invés da rocha verbal de Cristo (Mt. 7:24-27). Ele precisa ver que aqueles que suprimem a verdade de Deus em injustiça inescapavelmente “se tornam fúteis em seu raciocínio… Professando serem sábios, se tornam loucos” (Rm. 1:21-22). A oposição deles à fé equivale a não mais que ao “falsamente chamado conhecimento” (1Tm. 6:20-21), pelo qual eles na verdade “se opõem a si mesmos” em ignorância (2Tm. 2:23, 25).

O incrédulo tenta incluir lógica, ciência e moralidade em seu debate contra a verdade do Cristianismo. A apologética de Van Til responde essas tentativas argumentando que somente a verdade do Cristianismo pode resgatar a significância e força da lógica, ciência e moralidade. O desafio pressuposicional ao incrédulo é guiado pela premissa que somente a cosmovisão cristã fornece as pré-condições filosóficas necessárias para o raciocínio e conhecimento do homem, não importando em qual campo. Isso é o que se quer dizer por uma defesa “transcendental” do Cristianismo. Sob análise, toda verdade leva alguém a Cristo. Do princípio ao fim, o raciocínio do homem sobre tudo (mesmo o raciocínio sobre o próprio raciocínio) é ininteligível ou incoerente, a menos que a verdade da Escritura cristã seja pressuposta. Qualquer posição contrária à cristã, portanto, deve ser vista como filosoficamente impossível. Ela não pode justificar suas crenças ou oferecer uma cosmovisão cujos vários elementos comportam uns aos outros.

Resumindo, a apologética pressuposicional argumenta pela verdade do Cristianismo “a partir da impossibilidade do contrário”. Alguém que é tão tolo a ponto de agir em sua vida intelectual como se não houvesse nenhum Deus (Sl. 14:1), através disso “despreza a sabedoria e a instrução” e “odeia o conhecimento” (Pv. 1:7, 29). Ele precisa ser respondido segundo a sua tolice – demonstrando para onde os seus princípios filosóficos levam – “para que não seja sábio aos seus próprios olhos” (Pv. 26:5).

Os pontos básicos estabelecidos nas últimas três seções dessa discussão podem ser agora recapitulados. A apologética cristã é uma defesa da fé religiosa, pertencendo assim à questão do comprometimento último de uma pessoa na vida. A apologética exige raciocínio intelectual na justificação das crenças de uma pessoa, tocando assim nas questões epistemológicas do padrão final do conhecimento. Essas observações deixam claro que a defesa da fé é inevitavelmente uma questão pressuposicional. Tanto o incrédulo como o crente operam em termos de certas pressuposições ou cosmovisões assumidas, com o objetivo de desenvolver seu pensamento numa forma que seja consistente com seus respectivos comprometimentos últimos. O apologista cristão necessita argumentar com o não-cristão de uma maneira epistemologicamente autoconsciente, o que não pode acontecer se seu raciocínio e argumentação assumem coisas que são realmente contrárias à sua conclusão pretendida.

Portanto, a autoridade de Cristo e da sua palavra, ao invés da autonomia intelectual, deve governar o ponto de partida e o método de sua apologética, bem como sua conclusão. Ele desafia a adequação filosófica da cosmovisão do incrédulo, mostrando como ela não fornece as pré-condições para a inteligibilidade do conhecimento e da moralidade. Seu caso em favor do Cristianismo, então, argumenta a partir da impossibilidade do contrário. Do princípio ao fim, tanto em seu método filosófico como no que objetiva produzir no pensamento do incrédulo, o apologista cristão raciocina de tal forma “que em todas as coisas Cristo tem a preeminência” (Cl. 1:18).



__________________________________
1. 
O termo “transcendental” não deveria ser confundido com a palavra de som similar “transcendente” (um adjetivo para tudo o que está além da experiência humana). O raciocínio transcendental está preocupado em descobrir quais condições gerais devem ser satisfeitas para qualquer caso particular de conhecimento ser possível; ele tem sido central para as filosofias de pensadores seculares tais como Aristóteles e Kant, e se tornou uma questão de investigação na filosofia contemporânea, analiticamente orientada. Van Til pergunta qual visão do homem, mente, verdade, linguagem e do mundo é necessariamente pressuposta por nosso conceito de conhecimento e nossos métodos de consegui-lo. Para ele, a resposta transcendental é suprida no primeiríssimo passo do raciocínio do homem – não por especulação filosófica autônoma, mas por revelação transcendental da parte de Deus. Isso torna a crítica transcendental de Van Til do pensamento incrédulo diferente do que Herman Dooyeweerd chama “crítica transcendental”.
Fonte: SALA DO AREÓPAGO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

💪 Nós aprendemos com Jesus que a verdadeira masculinidade não é simplesmente manter nossos narizes limpos e nossa casa em ordem. A verdadeira masculinidade significa enxergar além de nós mesmos para amar nosso próximo – e nosso próximo é qualquer um que encontramos em necessidade. O homem de verdade livremente doa seu tempo, recursos, atenção, energia e apoio emocional para aqueles que precisam, sem se preocupar em como eles podem retribuir. Seja você casado ou solteiro, se você não está servindo ao seu próximo abnegadamente e sacrificialmente, você não está exercendo completamente a masculinidade bíblica.

Phillip Holmes



Postagens populares

.

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!

DOUTOR DA IGREJA GREGA - MAIOR PREGADOR DA IGREJA PRIMITIVA - MESTRE DA RETÓRICA, DA HOMILÉTICA!
Você deseja honrar o corpo de Cristo? Não o ignore quando ele está nu. Não o homenageie no templo vestido com seda quando o negligencia do lado de fora, onde ele está malvestido e passando frio. Ele que disse "Este é o meu corpo" é o mesmo que diz "Tu me vistes faminto e não me destes comida" e «quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes» (Mateus 25:40)... Que importa se a mesa eucarística está lotada de cálices de ouro quando seu irmão está morrendo de fome? Comeces satisfazendo a fome dele e, depois, com o que sobrar, poderás adornar também o altar.

João Crisóstomo, Comentário sobre Mateus

♛ Uma das características mais recorrentes das homilias de João Crisóstomo (347-407) é sua ênfase no cuidado com os necessitados. Ecoando temas do Evangelho de Mateus, ele exorta os ricos a abandonarem o materialismo para ajudar os pobres, empregando todas as suas habilidades retóricas para envergonhar os ricos e obrigá-los a abandonar o consumismo mais conspícuo:


“Honras de tal forma teus excrementos a ponto de recebê-los em vasilhas de prata quando outro homem criado à imagem de Deus está morrendo de frio?”


— João Crisóstomo


-

OREM PELOS CRISTÃOS

OREM PELOS CRISTÃOS