terça-feira, 22 de julho de 2014

Portal Teologia & Missões

*Catastrofismo / Uma Proposta Criacionista

Catastrofismo
“É impossível não falarmos em catástrofes. Que elas
existiram e continuarão a existir é algo além da
contestação. A dificuldade encontra-se justamente
na interpretação das proporções desses eventos.” 
Dr. Henry Morris
Dr. Henry Morris
Catastrofismo: Uma Proposta Criacionista de Grande Impacto
Figura1
Cometa Shoemaker-
Levy 9 aproximando-se
de Júpiter
Catastrofismo é uma hipótese científica, utilizada tanto pelos criacionistas quanto pelos naturalistas. Em resumo ela diz que a Terra tem sido afetada por eventos violentos, repentinos e de curta duração, com implicações locais ou globais.
Um exemplo típico é a teoria associada com a suposta extinção dos dinossauros. Segundo esta teoria, a 65 milhões de anos atrás o impacto causado por um asteroide de cerca de 10 km de diâmetro teria colocado um fim ao período Cretáceo. 70% de todas as espécies, incluindo os dinossauros, teriam sido extintas.
O paradigma dominante da geologia naturalista, o uniformitarismo, também conhecido por gradualismo, tem sido mais flexível nos dias atuais quanto a esta questão, procurando integrar uma visão onde eventos catastróficos sejam considerados como parte da história do planeta Terra.

O Catastrofismo É Observável 

Eugene M. Shoemaker, fundador do campo conhecido por Ciência Planetária, foi o primeiro a provar que impactos causados por meteoros e asteroides afetam tanto a vida quanto o biossistema do planeta Terra. Seus estudos mostraram também que eventos causados por impactos são muito comuns no sistema solar.
O evento mais recente, que ilustra esta descoberta, foi a seqüência de impactos causados pelas partes do cometa Shoemaker-Levy 9 no planeta Júpiter, entre os dias 16 e 22 de julho de 1994. Foram 21 impactos ao todo. O maior deles, o do fragmento G, atingiu o planeta Júpiter no dia 18, deixando uma mancha escura de aproximadamente 12.000 km de diâmetro e liberando uma energia equivalente a 6 milhões de megatons (todo o arsenal atômico que existe no planeta liberaria uma energia 750 vezes menor!).
Dr. Shoemaker observou corretamente que tais eventos deixam “marcas” nos corpos celestes, sejam eles planetas ou luas. A nossa própria Lua é um exemplo com as suas muitas crateras.

Causas e Efeitos

Catástrofes naturais são decorrentes de várias fontes distintas. Por fontes naturais a ciência entende que são aquelas não resultantes da intervenção do ser humano, como é o exemplo do aquecimento global que o planeta Terra vem experimentando.
Estas catástrofes naturais podem ser categorizadas especialmente pela sua origem: impactos, atividades vulcânicas, atividades sísmicas e atividades atmosféricas. Para o estudo de cada uma delas, a ciência utiliza-se de áreas que se combinam para dar uma explicação o mais completa possível do evento e das suas implicações.
A avaliação dos efeitos de tais eventos, tanto na estrutura geoclimática do planeta como na performance do ecosistema e da biodiversidade que nele existe, é de grande interesse para a ciência, pois possui profundas implicações na averiguação das teorias relacionadas com as origens.

Permanecendo no Erro

O planeta Terra, não pode ter sido sempre igual ao que ele é hoje, sendo que o atualismo evolucionista (uniformitarismo) não é uma pressuposição científica consistente com a evidência.
Mudanças que ocorreram na superfície da Terra no passado podem ser explicadas por meio de causas que estão em operação hoje. Podemos compreender o planeta hoje, estudando o seu passado. Portanto, o passado é a chave para entendermos o presente.
No entanto, as teses naturalistas sobre o planeta e a vida continuam sendo amplamente aceitas como verdadeiras e acima de qualquer contestação:
“O presente é a chave do passado.” (Sir Charles Lyell).
“... contudo, num longo espaço de tempo as forças são balanceadas tão gentilmente, que a face da natureza permanece uniforme por longos períodos de tempo, embora, seguramente a mais simples futilidade dá a vitória a um organismo sobre um outro. Todavia a nossa ignorância é tão profunda, e tão alta a nossa presunção, que nos maravilhamos quando ouvimos da extinção de um organismo; e como não vemos a causa, nós invocamos cataclismas para devastar o mundo, ou inventar leis sobre a duração das formas de vida!” (Charles Darwin).
Quando comparamos estas citações, que são a base do pensamento naturalista, nos perguntamos: Até quando a ciência permanecerá de olhos fechados para a evidência? Até quando ela ira falar de destruição em massa devido a eventos cataclísmicos e continuar aceitando o atualismo?

Referências

1. http://www.britannica.com/eb/article-9114891/
Shoemaker-Eugene-Merle
2. Charles Lyell, Principles of Geology, John Murrey, London, First Edition, 1830, Vol 1.
3. Charles Darwin, The Origin of Species, John Murrey, London, First Edition, 1959, p. 74.
Este artigo está baseado numa parte do Capítulo 7 “A Origem do Catastrofismo: Geofísica e Hidrodinâmica” do livro “Como Tudo Começou – Uma Introdução ao Criacionismo” 
Figura 2
Marcas no planeta
Júpiter feitas pelos
impactos dos
fragmentos do cometa
Cometa Shoemaker-
Levy 9
Figura 3
Cratera Berringer
(EUA)
1200m de diâmetro e
170m de profundidade
Uma bomba atômica de
100ktons produziu uma
cratera de 390 de
diâmetro e 97 de
profundidade.

Portal Teologia & Missões

About Portal Teologia & Missões -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :