sábado, 8 de junho de 2013

Acervo da Teologia

*Pós-Tribulacionismo / Definição

Quais são os pontos fortes e fracos da visão Pós-tribulacional do Arrebatamento (Pós-tribulacionismo)?



Pergunta: "Quais são os pontos fortes e fracos da visão pós-tribulacional do Arrebatamento (Pós-tribulacionismo)?"

Resposta:Ao considerar qualquer questão envolvendo a escatologia (o estudo do fim dos tempos), é importante lembrar-se de que quase todos os cristãos concordam com estas três coisas:

1) Está chegando um momento de grande Tribulação tal como o mundo nunca viu;

2) Depois da Tribulação, Cristo voltará para estabelecer o Seu reino na terra;

3) Haverá um Arrebatamento -- "repentina transição" da mortalidade para a imortalidade -- para os crentes, assim como descrito em João 14:1-3, 1 Coríntios 15:51-52 e 1 Tessalonicenses 4:16-17. A única questão em relação ao tempo do Arrebatamento é a seguinte: quando ele ocorrerá em relação à Tribulação e à Segunda Vinda?

Existem basicamente três teorias sobre o momento do Arrebatamento: a crença de que ocorrerá antes da Tribulação (Pré-tribulacionismo), a crença de que ocorrerá na metade da Tribulação (Mesotribulacionismo) e a crença de que ocorrerá no final da Tribulação (Pós-tribulacionismo). Este artigo trata especificamente do ponto de vista pós-tribulacional.

O Pós-tribulacionismo ensina que o Arrebatamento ocorre no final, ou perto do final, da Tribulação. Naquela época, a igreja irá encontrar Cristo no ar e em seguida retornar à terra para o início do Reino de Cristo na terra. Em outras palavras, o Arrebatamento e a Segunda Vinda de Cristo (para estabelecer o Seu Reino) acontecem quase simultaneamente. Segundo essa visão, a igreja passa por toda a Tribulação de sete anos. O Catolicismo Romano, a Ortodoxia grega e muitas denominações protestantes defendem uma visão pós-tribulacional do Arrebatamento.

Um ponto forte do Pós-tribulacionismo é que Jesus, em Seu amplo discurso sobre o fim dos tempos, diz que voltará depois de uma "grande tribulação" (Mateus 24:21, 29). Além disso, o livro do Apocalipse, com todas as suas várias profecias, menciona apenas uma vinda do Senhor -- e isso ocorre após a Tribulação (Apocalipse 19-20). Passagens como Apocalipse 13:7 e 20:9 também dão apoio ao Pós-tribulacionismo porque certamente haverá santos na Tribulação. Além disso, a ressurreição dos mortos em Apocalipse 20:5 é chamada de a "primeira ressurreição". Os pós-tribulacionistas afirmam que, já que esta "primeira" ressurreição ocorre após a Tribulação, a ressurreição associada com o Arrebatamento em 1 Tessalonicenses 4:16 não pode ocorrer até então.

Os pós-tribulacionistas também apontam que, historicamente, o povo de Deus tem passado por momentos de intensa perseguição e julgamento. Por isso, dizem eles, não deve ser surpreendente que a igreja também passe pela Grande Tribulação do fim dos tempos. Em relação a isso, o ponto de vista pós-tribulacional distingue a "ira de Satanás" (ou "a ira do homem") da "ira de Deus" no livro do Apocalipse. A ira de Satanás é dirigida aos santos, e Deus a permite como um meio de purificação dos seus fiéis. Por outro lado, a ira de Deus é derramada sobre o Anticristo e seu reino ímpio, e Deus irá proteger o Seu povo dessa punição.

Um ponto fraco do Pós-tribulacionismo é o claro ensino da Escrituras de que aqueles que estão em Cristo não estão sob condenação e nunca experimentarão a ira de Deus (Romanos 8:1). Embora alguns julgamentos durante a Tribulação sejam especificamente aos que não são salvos, muitos outros julgamentos, como os terremotos, estrelas cadentes e fomes, afetarão os crentes e descrentes igualmente. Assim, se os crentes passarem pela Tribulação, eles experimentarão a ira de Deus, em contradição com Romanos 8:1.

Um outro ponto fraco do ponto de vista pós-tribulacional é que deve, em certa medida, alegorizar a Tribulação. Muitos pós-tribulacionistas ensinam que estamos vivendo na Tribulação agora; na verdade, alguns dizem que a Tribulação começou imediatamente após o Pentecostes em Atos 2. Tal ensino ignora a natureza singular da Tribulação tal como apresentada nas Escrituras (Mateus 24:21) -- que será um tempo de aflição sem paralelo na história mundial. Além disso, os pós-tribulacionistas têm dificuldade em explicar a ausência da palavra "igreja" em todas as passagens bíblicas relacionadas à Tribulação. Até mesmo em Apocalipse 4-21, a mais longa descrição da Tribulação em toda a Escritura, a palavra "igreja" nunca aparece. Os pós-tribulacionistas devem supor que a palavra "santos" em Apocalipse 4-21 signifique a igreja, embora uma palavra grega diferente seja usada.

E uma fraqueza final da visão pós-tribulacional é compartilhada pelas outras duas teorias: a Bíblia não dá um cronograma explícito em relação a eventos futuros. As Escrituras não ensinam claramente um ponto de vista ao outro, e é por isso que temos diversidade de opiniões acerca dos tempos finais e algumas variedades de como as profecias relacionadas devem ser harmonizadas.


Leia mais: http://www.gotquestions.org

Acervo da Teologia

About Acervo da Teologia -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :

3 comentários

Write comentários
Unknown
AUTHOR
10 de agosto de 2015 16:15 delete

Não confundir Grande Tribulação com Ira de Deus.
Ira são as Taças da Ira.
Realmente a Igreja será preservada da Ira de Deus, mas irá passar pela Grande Tribulação.

Reply
avatar
Unknown
AUTHOR
10 de agosto de 2015 16:18 delete

Não confundir Grande Tribulação com Ira de Deus.
Ira são as Taças da Ira.
Realmente a Igreja será preservada da Ira de Deus, mas irá passar pela Grande Tribulação.

Reply
avatar
Jaime e Julio
AUTHOR
31 de janeiro de 2017 14:18 delete

Graça e paz,

A visão pós-tribulacional (sistemática) juntamente com as outras duas teorias, de fato não têm o cronograma dos eventos futuros; Porém, isso não é o caso da nova visão pós-tribulacional R.B. recebida do Senhor em 2010, não apenas um cronograma, mas, 10 gráficos escatológicos, escrito por profetas, mensagens e tempos diferentes. Porém, manifestando a ordem tribulacional numa harmonia perfeita, bem como a cronologia dos acontecimentos do Apocalipse.
Com toda a certeza, isso é o cumprimento da revelação prometida para a Igreja da última geração (Jer. 23:20).

1-O Apocalipse no Gênesis.
2-O Apocalipse na Páscoa.
3-O Apocalipse no Tabernáculo.
4-O Apocalipse na Estátua de Nabucodonosor.
5-O Apocalipse na visão dos quatro animais.
6- O Apocalipse nas setenta semanas de Daniel.
7- O Apocalipse em Mateus 24.
8- O Apocalipse nos sete-oito reis.
9- O Apocalipse de João - “a”.
10- O Apocalipse de João - “b”.

Se desejarem receber gratuitamente o material, basta solicitar pelo nosso
E-mail: Jaime.ap@hotmail.com

Abraços,
Jaime e Júlio – Curitiba Pr.

Reply
avatar