"Γνωρίζοντας αυτό το πρώτο, ότι ουδεμία προφητεία της γραφής γίνεται από την προσωπική ερμηνεία. Για προφητεία δεν ήρθε ποτέ από τη θέληση του ανθρώπου, αλλ 'οι άγιοι άνθρωποι του Θεού μίλησε, εμπνευσμένη από το Άγιο Πνεύμα "(Β' Πέτρου 1:20-21)..

quarta-feira, 5 de maio de 2010

* Cades-Barnéia e o seu significado

Kadesh (Israel)
From Wikipedia, the free encyclopedia

Cades (Israel) Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre Ir para: navegação, pesquisa Este artigo é sobre Cades, no Sul de Israel, ver também Cades ou Quedes. Cades (em hebraico: קָדֵשׁ), também conhecido como Cades-Barnéia (קָדֵשׁ בַּרְנֵעַ), era um lugar no sul do antigo Israel. O nome "Kodesh" significa santo. O nome "Barnea" pode significar deserto de errantes.

Era um local importante na história israelita.

[1] Miriam, a irmã de Moisés, morreu ali (Nu. 20:1), e Moisés desobedientemente golpeou a pedra que tirou da água nesta localidade (Nu. 20:11).

Moisés enviou posteriormente enviados ao rei de Edom, de Cades (Nm 20:14), pedindo permissão para deixar os israelitas atravessar o terreno. O rei edomita negou esse pedido.

Desde 1905 Ain el moderno Qudeirat no Wadi el-Ain do norte do Sinai tem sido amplamente aceito como a localização das bíblica Cades Barnéia. Várias fortalezas da Idade do Ferro foram escavados há. o mais velho, uma pequena estrutura elíptica data do século X aC mas era, evidentemente, abandonada por algum tempo após a destruição do forte de primeira. Um forte segundo construídos durante o século VIII aC (provavelmente durante o reinado de Uzias) foi destruída durante o século VII aC, provavelmente durante o reinado de Manassés.

Cades-Barnéia é dia 11 de março por meio do monte de Seir Horab.

* Gn 14:7 E eles voltaram e vieram a En-Mispate, que [é] Cades, e feriram toda a terra dos amalequitas, e também dos amorreus, que dweltin Tamar.

Gn 16:14 Por que o bem foi chamado Beerlahairoi, eis que [é] entre Cades e Berede.

Gn 20:1 E Abraão dali para a região sul, e habitou entre Cades e Sur, e peregrinou em Gerar.

Num 13:26 E eles foram e vieram a Moisés ea Arão, ea toda a congregação dos filhos de Israel ao deserto de Parã, a Cades, e trouxe de volta a palavra a eles, e para toda a congregação, e mostrou-lhes o fruto da terra.

Números 20:1 Então vieram os filhos de Israel, [mesmo] toda a congregação, ao deserto de Zim no primeiro mês, eo povo ficou em Cades; e Miriã morreu ali, e foi enterrado lá.

Num 20:14, Moisés enviou mensageiros da Cades, sabes o rei Edom: Assim diz teu irmão Israel: Tu és todo o trabalho que nos tem sobrevindo;

Num 20:16 e quando clamamos ao Senhor, ele ouviu a nossa voz, e mandou um anjo, e nos tirou do Egito, e eis que [estão] em Cades, cidade na extremidade dos teus

Nm 20:22 E os filhos de Israel, [mesmo] toda a congregação, partiram de Cades e chegou ao monte Hor.

Num 27:14 Porque se rebelou contra o meu mandamento, no deserto de Zim, na contenda da congregação, para santificar-me na água antes de seus olhos que [é] a água de Meribá de Cades, no deserto de Zim.

Nm 33:36 E partiram de Eziom-Geber, e acamparam no deserto de Zim, que [é] Cades.

Nm 33:37 E partiram de Cades, e acamparam no monte Hor, na extremidade da terra de Edom.

Deu 1:46 Então vós morada de muitos dias em Cades, até o segundo dia que vos morada [há].

Deuteronômio 32:51 Porquanto se rebelaram contra mim, entre os filhos de Israel, nas águas de Meribá de Cades, no deserto de Zim, pois não me santificado no meio dos filhos de Israel.

Juízes 11:16 Mas, quando Israel subiu do Egito, andou pelo deserto até o mar Vermelho, e chegou a Cades;

Juízes 11:17 Então Israel enviou mensageiros ao rei de Edom, dizendo: Permitam-me, peço-te, passar pela tua terra, mas o rei de Edom não lhe deu ouvidos [seu]. E da mesma maneira que enviou ao rei de Moab, mas ele não [autorização]: morada e Israel em Cades.

Salmos 29:8 A voz do Senhor faz tremer o deserto, o Senhor faz tremer o deserto de Cades.

Eze 47:19 E o lado do sul, de Tamar [mesmo] para as águas do conflito [no] Cades, o rio para o mar grande. E [isto é] o lado do sul.

Eze 48:28 E junto ao termo de Gade, ao lado do sul, a fronteira deve ser mesmo de Tamar [até] às águas da contenda [no] Cades, [e] para o rio em direção ao grande mar.

Cades Barnéia pg. 214 no Arqueológico NIV Study Bible, Grand Rapids: Zondervan, 2005

Localização

Cades Barnéia localiza-se ao sul da terra de Israel, ao nordeste da península do Sinai. Antes associada com ‘ain Qedeis
[1] é identificada atualmente com ‘ein el-qudeirat.
[2] Está próxima à “estrada de Gaza”, entre esta cidade e o Mar Vermelho.
[3] Ocupava um lugar muito importante, já que era um oásis no deserto, conectada a muitos outros pontos que formavam uma teia, um complexo que se relacionava ao sul com o Golfo de Ácaba, produtor de cobre e centro comercial. A ligação com o sul da Arábia também seria muito importante em alguns momentos da história,
[4] devido ao fluxo comercial que se instalaria na região do Negueb, no período que vai do 8º século a.C. em diante.

O testemunho bíblico

Cades Barnéia é importante para o estudo bíblico porque está muito associada à história dos primórdios de Israel. Já nas narrativas patriarcais o lugar é mencionado como o ponto extremo a que chegou a invasão de Queorlaomer e seus aliados, no texto, porém, com um suposto nome mais antigo: em mixpat (Gênesis 14,7).

A Bíblia nos informa que os israelitas acamparam em Cades Barnéia, onde Miriam faleceu (Números 20,1). De lá, Moisés enviou os mensageiros ao rei de Edom pedindo passagem por suas terras, mas sem resultado (Números 20,14-21).

Escavações


O sítio de ‘ein el-qudeirat foi escavado por Rudolf Cohen, do Department of Antiquities de Israel, entre 1972-1982.

Amihai Mazar é contundente ao afirmar que não há nenhum indício arqueológico oriundo de uma ocupação de Cades Barnéia na Idade do Bronze Tardio ou no período do Ferro I, o que corresponde do 16º ao 13º e 13º ao 11º séculos a.C.

A afirmação de Amihai Mazar é confirmada por Israel Finkelstein e Neil Asher Silberman, os quais afirmam que a ocupação do local teria se dado “principalmente no sétimo e no início do sexto século a.C.” Assim, parece haver discrepância em relação à narrativa bíblica apresentada acima, não obstante o local haver sido densamente povoado durante o terceiro milênio a.C. Isto significa que os dados não batem com as informações bíblicas de que Israel esteve acampado em Cades Barnéia após o êxodo como está registrado em Números 21,1.

Dividindo a ocupação do lugar em três grandes períodos, Moshe Dothan afirma que as únicas evidências que se tem do primeiro momento são restos de cerâmica: potes usados para cozinhar, utensílios com alças sob a borda ou do lado etc. Conforme suas investigações “nenhum resto de construção foi encontrado” relativo ao período. Os vestígios de cerâmica datam do 10º século a.C.

As ruínas de uma fortaleza foram estudadas. Segundo Moshe Dothan, a cerâmica relativa ao forte data do período compreendido entre o 8º e o 7º séculos a.C. A construção, porém, pode datar do reinado de Jeosafá (9º século a.C.)

Dale W. Manor descreve a história do forte em três fases sucessivas. A primeira, cujos restos encontram-se a cinco metros dos escombros, era uma fortaleza de vinte e sete metros de diâmetro, com muros em casamata. Localizava-se no lado leste do sítio. Havia também um edifício fora do forte oval a oeste. Considerando-se a cerâmica encontrada, esse autor data a construção no tempo de Salomão, havendo sido destruído posteriormente, talvez por Sisaque (1Reis 14,25-28).

O segundo forte teria sido construído após uns duzentos anos (7º século a.C.). Seu plano “não seguiu nem reutilizou as ruínas anteriores”. Era retangular (60 x 40 m), com muros de 4 m de expessura e oito torres. Ele era cortado por uma avenida de cerca de 3,5 m de largura. Ao noroeste, foram encontrados vestígios de instalações feitas com tijolos, restos de fogueira e ossos de animais. Também havia uma cisterna ao sul, com uma passagem de vinte e dois degraus. Ela era alimentada por uma fonte localizada ao sul, do lado de fora da muralha, e que tinha a capacidade para 180 m de água. A leste da cisterna, havia uma sala retangular de 15,5 x 3,8 m que, na opinião de Dale W. Manor, pode ter sido um silo, perto do qual, localizava-se outro menor (cerca de 2 m). Do lado externo da fortaleza, foram encontrados vários locais para estocar cereais, ossos de camelos e uma sala na qual havia um forno, em cujo interior estava um pote feito à mão utilizado para cozinhar. Dale W. Manor acredita que o forte possa ter sido construído durante o reinado de Uzias, que tentou fortificar o sul de Judá (2Crônicas 26,10), havendo sido destruído durante o reinado de Manassés no 7º século a.C.

A terceira fortaleza teria seguido essencialmente o mesmo plano da anterior, com a diferença de que os muros externos eram em casamata e não sólidos. Embora houvesse sofrido mudanças internas, a cisterna continuou sendo usada. No lado noroeste, foram descobertas três salas dando para um pavimento de pedra no qual havia “uma grande estrutura circular (cerca de 1,9 m) construída de tijolos e preservada a uma altura de cerca de 1,2 m”, repleta de uma camada de cinzas. Ao lado, foram encontrados um incensário, vasos de cerâmica e ossos de animais. Dale W. Manor escreve que “tem sido sugerido que se constituía num santuário”. Quanto à data do “terceiro forte”, Cohen sugeriu o tempo de Josias e sua destruição durante a campanha de Nabucodonosor.

Para o período persa, encontrou-se um edifício que serviria como centro administrativo. Os muros do forte não foram reconstruídos nesse período. O forte de Cades Barnéia deixou de ser habitado.

Um comentário:

  1. Irmã de Moisés faleceu em cades Barneia! a alegria?? é isso? o que significa??

    ResponderExcluir

Postagens populares

OREMOS IGREJA

OREMOS IGREJA
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

LIVRO DESTAQUE DO MÊS

LIVRO DESTAQUE DO MÊS
Os Cristãos e os Desafios Contemporâneos é a maior e mais abrangente obra do conhecido teólogo e escritor inglês John Stott.

Violência, direitos humanos, aborto, diversidade étnica, trabalho e desemprego, meio ambiente, casamento e divórcio, homossexualidade, globalização, entre outras, são algumas das questões sobre as quais John Stott se debruça e, com a costumeira clareza e sabedoria bíblica, responde às perguntas urgentes que os cristãos fazem todos os dias.

Com guia de estudo ao final de cada capítulo, especialmente preparado para discussão em grupo ou para reflexão individual, Os Cristãos e os Desafios Contemporâneos é uma preciosa ferramenta para a compreensão das razões e das possibilidades de envolvimento dos cristãos com as questões que tomam conta da sociedade moderna e ‘invadem’ também a igreja hoje. Leia alguns trechos do livro:

BÍBLIA ON LINE