quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Acervo da Teologia

* Parábola dos Trabalhadores

PARÁBOLA DOS TRABALHADORES

Mateus 20.1-16

1 - Porque o Reino dos céus é semelhante a um homem, pai de família, que saiu de madrugada a assalariar trabalhadores para a sua vinha.

2 - E, ajustando com os trabalhadores a um dinheiro por dia, mandou-os para a sua vinha.
3 - E, saindo perto da hora terceira, viu outros que estavam ociosos na praça.

4 - E disse-lhes: Ide vós também para a vinha, e dar-vos-ei o que for justo. E eles foram.

5 - Saindo outra vez, perto da hora sexta e nona, fez o mesmo.

6 - E, saindo perto da hora undécima, encontrou outros que estavam ociosos e perguntou-lhes: Por que estais ociosos todo o dia?

7 - Disseram-lhe eles: Porque ninguém nos assalariou. Diz-lhes ele: Ide vós também para a vinha e recebereis o que for justo.

8 - E, aproximando-se a noite, diz o senhor da vinha ao seu mordomo: Chama os trabalhadores, e paga-lhes o salário, começando pelos derradeiros até aos primeiros.

9 - E, chegando os que tinham ido perto da hora undécima, receberam um dinheiro cada um;

10 - vindo, porém, os primeiros, cuidaram que haviam de receber mais; mas, do mesmo modo, receberam um dinheiro cada um.

11 - E, recebendo-o, murmuravam contra o pai de família,

12 - dizendo: Estes derradeiros trabalharam só uma hora, e tu os igualaste conosco, que suportamos a fadiga e a calma do dia.

13 - Mas ele, respondendo, disse a um deles: Amigo, não te faço injustiça; não ajustaste tu comigo um dinheiro?

14 - Toma o que é teu e retira-te; eu quero dar a este derradeiro tanto como a ti.

15 - Ou não me é lícito fazer o que quiser do que é meu? Ou é mau o teu olho porque eu sou bom?

16 - Assim, os derradeiros serão primeiros, e os primeiros, derradeiros, porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos.

Esboço / Introdução

I – A VINHA

1. É do Senhor.

2. Gera proventos

3. Contrata trabalhadores até a última hora

II – OS OPERÁRIOS

1. Trabalham em propriedade alheia.

2. Trabalham sob contrato 3. Trabalham pela recompensa.

III – O SENHOR DA VINHA

1. Chamará os trabalhadores e os recompensará

2. Tratará os trabalhadores com equidade

3. Agirá em conformidade com a sua bondade.

INTRODUÇÃO

Cada uma das parábolas tratadas neste estudo, mostra aspectos do reino dos céus e dos seus súditos.

Jesus Cristo, nesta parábola dos trabalhadores, procura mostrar aos judeus, que o fato deles terem sido chamados primeiro que os gentios não implica em maior galardão. Todos receberão da bondade do Senhor.
Serve para o nosso ensino, pois estamos também engajados nesta tarefa. Somos trabalhadores desta vinha, por isto vamos estudar nesta lição o que o texto nos revela:

I – A VINHA

Mais uma vez, Jesus Cristo explica o reino dos céus por semelhança: "Porque o reino dos céus é semelhante a um homem, proprietário, que saiu de madrugada a contratar trabalhadores para a sua vinha". (v. 1)

A vinha é uma plantação de pés de uva. Como apresentada na parábola, simboliza o reino dos céus e mostra claramente que neste reino há uma árdua tarefa a ser realizada. É um reino em ação. Os que entram nele, são alistados para o trabalho. Alguns ensinos sobre a vinha:

1. É do Senhor.

O texto diz: "Para a sua vinha". (v. 1)

Destaca-se aqui a grandeza do reino dos céus, simbolizado por uma vinha. É na verdade grande como o próprio Deus, Seu dominador. A vinha é do Senhor, que o administra e chama a todos indistintamente para o seu labor. Ousa alguém não atender a tal chamado?
Na vinha do Senhor ninguém sai perdendo, pois não há injustiça, ninguém será demitido, não há desemprego. A vinha é do Senhor porque o reino é de Deus.

2. Gera proventos. (v. 2)

"Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor." (1 Co 15.58)

Cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho. (1 Co 3.8; Cl 3.24)

A parábola apresenta verdades fundamentais de forma figurada. É uma alegoria, não uma mentira. Receberemos de fato a recompensa pelo nosso trabalho no reino dos céus. No entanto, não podemos pensar que Deus nos pagará com ouro desta terra, o salário que o Senhor nos dará por cooperarmos na sua vinha, é muito mais rico e precioso. É um salário que a traça e a ferrugem não consomem, nem os ladrões roubam. (Mt 6.20) Além disso, não há inflação e nem impostos a pagar.

3. Contrata trabalhadores até a última hora. (v. 6)

A praça pública era o ponto de reunião para os que não tinham serviço, bem como para os operários avulsos. (v. 3) A insistência do Senhor em chamar trabalhadores é demonstrada na parábola:

De madrugada, a terceira hora (9 h), a sexta (12h) ,a nona (15 h) e cerca da hora undécima (a última hora). Ninguém pode dizer que não teve oportunidade, pois o Senhor já tem chamado e continuará chamando até a "ultima hora". (1 Jo 2.18) A última hora fala do fim da dispensação da graça. O dia judeu termina às 18 horas. O Senhor da vinha chama até na última hora. Podemos já estar vivendo os "minutos finais". Ouça o chamado de Cristo: "Ide também vós para a vinha." (v. 4).

II – OS OPERÁRIOS

A parábola continua nos instruindo acerca do reino. Podemos extrair do texto algumas verdades importantes para serem aplicadas em nossas vidas, já que somos os verdadeiros operários da vinha do Senhor. Vejamos então o que a parábola diz em relação aos trabalhadores:

1. Trabalham em propriedade alheia.

Tudo nos foi entregue pelo Pai, por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. Isto aumenta a nossa responsabilidade, pois de tudo teremos que prestar contas. Já temos visto que a vinha é do Senhor, portanto, estamos trabalhando em propriedade que não nos pertence, o dono porém é rico e seremos recompensados.

2. Trabalham sob contrato

Assumimos uma responsabilidade perante o Senhor da vinha. Portanto, nós, os servos de Deus devemos demonstrar boa vontade no desempenho das nossas funções. O contrato foi firmado por ambas as partes e cada uma das partes terá direitos e deveres. O que o Senhor prometeu foi a recompensa: "Ajustou com os trabalhadores o salário" (v. 2). Da nossa parte fica o dever de trabalhar e fazer aquilo que nos está proposto". (2 Tm 4.7)

Muitos estão ensinando que o Senhor nos dá tudo o que pedirmos. Que Ele nos cura, supri as nossas necessidades, nos faz felizes e nos livra de todo sofrimento, mas esquecem de dizer que isto é apenas um lado da aliança, portanto é um ensino falso. (2 Pd 2.1-3).

3. Trabalham pela recompensa.

Por outro lado, devemos conhecer nossos direitos. Ele nos prometeu a recompensa pelo nosso trabalho. Além do galardão que receberemos, ainda gozaremos do privilégio do convívio com o Senhor. Temos os direitos legais já que o Senhor é justo, nada nos será negado se formos bons trabalhadores.

Na "empresa" do Senhor não existe sindicato, Ele mesmo nos dará bondosamente o que for bom para nós. Devemos evitar um coração interesseiro e buscar as bênçãos do Senhor, mas não desvinculadas dEle. O Senhor é a nossa herança, (Sl 73.26) a nossa maior bênção, porque com ele obteremos tudo o que ele é e possui. (Ef 1.3).

III – O SENHOR DA VINHA

Devemos nos empenhar em conhecer o Senhor mais e mais. (Os 6.3; Fp 3.8) Todos estaremos diante dele para sermos julgados pelo que tivermos feito.

O Senhor virá num momento inesperado, quando muitos estiverem ociosos, desatentos. (Mt 24.44).

A parábola diz que ao anoitecer o Senhor da vinha chamou.... O arrebatamento da igreja acontecerá quando as trevas estiverem mais densas. Este já pode ser o momento, pois o pecado impera. Como serão os acontecimentos finais, como tratados na parábola?:

1. Chamará os trabalhadores e os recompensará

Primeiro: Chama os trabalhadores. (v 8) É bom frisar: chamará somente os trabalhadores. Aqueles que, por muito ou por pouco tempo contribuíram com a obra do Senhor. O que conta não é o tempo que trabalhamos e sim, se trabalhamos. O Senhor se alegra com o nosso coração na sua obra. Isto Ele requererá, se o amamos e o servimos com alegria. (Sl 100).

Segundo: paga-lhes o salário. No tribunal de Cristo, todos estaremos para receber nosso galardão. "Eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra". (Ap 22.12).

Um denário correspondia ao salário diário dos soldados do Império Romano. A parábola contabiliza o trabalho de um dia. Simbolicamente, representa o período desta dispensação em que estamos vivendo, ou seja, da partida de Cristo para o Pai, até a sua vinda para arrebatar a Sua Igreja. Cristo nos recompensará com um "salário" correspondente a todo este período,
independentemente do momento em que fomos chamados.

2. Tratará os trabalhadores com equidade

O Senhor tratará com justiça os seu servos. O texto diz que "receberam um denário cada um". (v 12) Na concepção do Senhor isto é correto, pois ele já havia determinado desde o princípio: "dar-vos-ei o que for justo". (v 4) Houve reação por parte dos trabalhadores, ao notarem que o Senhor pagou salário igual a todos:

•Murmuração – O homem sempre quer retrucar a Deus e ser mais sábio e justo que Ele (Rm 9.20; 1 Co 1.19).

• Egoísmo – "Estes últimos trabalharam somente uma hora". O egoísmo quer sempre mais que os outros. O Senhor lhes deu a resposta: Não ajustastes comigo um denário? Toma o que é teu, e vai-te. (v 12-14) Devemos evitar o espírito de inveja para com as bênçãos espirituais dos outros.

• Presunção – Eles achavam que mereciam mais porque foram os que mais trabalharam, mais sofreram. Eram os mais "antigos de casa". O v.12 diz: "Os igualastes a nós". O Senhor é justo, trata a todos com equidade. "Eu quero dar a este último tanto como a ti" (v 14) O Senhor é soberano para tomar decisões. "Não me é lícito fazer o que quero do que é meu". (v 15) O galardão é do Senhor e Ele o dá a quem quiser.

3. Agirá em conformidade com a sua bondade.

"Porque eu sou bom." (v 15) Diante de Deus o homem mostrará ser exatamente aquilo que é. A luz que emana do Senhor revelará toda a fragilidade do ser humano. Nessa hora toda língua confessará que Jesus Cristo é o Senhor. (Fp 2.11) Tudo o que Deus faz, ele o faz movido pela sua bondade. Não podemos deixar de compartilhar do anseio de Deus em oferecer a sua graça a todos.

CONCLUSÃO

A parábola dos trabalhadores é um chamado ao serviço. Uns já foram chamados, outros estão sendo agora.


1. Você já foi chamado?
2. Você é um trabalhador da vinha do Senhor?
3. Você espera receber galardão do Senhor?


Fonte de Estudo:

http://revistadominical.sites.uol.com.br/

Manual Bíblico de Halley

Acervo da Teologia

About Acervo da Teologia -

Author Description here.. Nulla sagittis convallis. Curabitur consequat. Quisque metus enim, venenatis fermentum, mollis in, porta et, nibh. Duis vulputate elit in elit. Mauris dictum libero id justo.

Subscribe to this Blog via Email :